Cyberbullying_5_dicas_prevencao

O cyberbullying, ou assédio virtual em português, atinge uma a cada quatro crianças, de acordo o Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br). E não para por aí: estudos da Universidade de Sheffield e Nottingham, de Londres, mostram que 80% dos adultos já sofreram cyberbullying no trabalho.

Exposição, xingamentos e uma série de outros comportamentos intimidadores e agressivos cometidos na internet acabam afetando a vida fora dela – além do incômodo, quem passa por uma situação de bullying na rede pode até entrar em depressão.

E como a gente pode fugir desse cenário? A resposta está nas dicas de prevenção do cyberbullying que preparamos para você. Vem com a gente e alerte a sua família também!

Dica #1: não passe as suas senhas para os outros 

Por mais confiável que sejam seus amigos da escola ou colegas de trabalho, evite compartilhar suas senhas de e-mail, mensageiros ou redes sociais. Isso porque, quanto mais gente sabe como acessar suas contas pessoais, maiores são as chances de alguém mal-intencionado entrar no que é seu e espalhar informações confidenciais.

Dica #2: seja cuidadoso com amizades virtuais 

É sempre legal fazer novas amizades, né? Mas, na internet é preciso ter bastante cautela.

Se você for menor de idade e está lendo isso, uma dica bem especial: não esconda nada dos seus pais ou das pessoas mais velhas que cuidam de você e em quem você confia, combinado!? Se você começa a trocar ideia com alguém na internet, não faça isso escondido e não passe informações como senhas, endereço ou fotos. E vale aquele conselho clássico: não fale com estranhos! 😉

Agora, se você é pai, mãe, avó ou responsável por uma criança ou adolescente, a dica é outra: converse com a turminha sobre os cuidados com amizades virtuais. Além disso, é bacana estipular horários para uso de internet – de preferência quando todos estão acordados. E a porta do quarto e do escritório? Aberta!

E não custa lembrar que gente grande também se depara com uma série de situações constrangedoras de assédio virtual, por isso evite compartilhar imagens, senhas e outros dados pessoais com amigos e conhecidos da rede.

Dica #3: ele /ela pediu uma foto sua? Avalie antes de mandar 

De acordo com a ONG brasileira SaferNet, em 2016 aproximadamente 300 pessoas tiveram fotos e vídeos íntimos espalhados pela internet sem autorização. E desse montante, cerca de 80% são mulheres – uma a cada cinco, menor de idade.

Esse é um tipo bem comum de cyberbullying, por isso, antes de passar uma foto – seja ela íntima ou não – é importante avaliar se a pessoa que vai receber não tem (e nem teria no futuro) segundas intenções.

Dica #4: não abra links suspeitos 

Essa dica até parece coisa da época de internet discada, né? Mas a verdade é que os links suspeitos de hoje em dia estão cada vez mais disfarçados de sites inofensivos. Eles, muitas vezes, chegam até pelos conhecidos – que já clicaram anteriormente, também sem querer.

O problema é que muitos desses links estão contaminados e servem para roubar arquivos. E ao encontrar algo que possa render cyberbullying, muitos hackers veem a oportunidade de chantagem e extorsão, como aconteceu com aquela atriz famosa, lembra?

Então, verifique a veracidade dos links de notícias e das promoções que os seus amigos mandam por e-mail e WhatsApp – não tem problema ser um pouco desconfiado nesse caso. E manter o antivírus atualizado é fundamental.

Dica #5: tente evitar a exposição 

Nas redes sociais, e-mail e mensageiros instantâneos é interessante ter uma postura cautelosa para aproveitar tudo de bom que a conexão com o mundo traz para a gente.

Selecione suas fotos antes de postar, se for comentar em algum post procure ser respeitoso, evite participar de brigas online e pense duas vezes antes de compartilhar alguma coisa – avalie se aquilo que você está prestes a passar adiante não tem chances de prejudicar você ou aos outros.

E naquele churrasco animado ou na escola, se perceber que alguém está te filmando sem a sua autorização, peça para interromper. Caso necessário, busque ajuda da autoridade local – como professores e seguranças.

A importância de denunciar 

Viu alguém cometendo cyberbullying com outra pessoa ou você mesmo está sofrendo com isso? Vários canais podem te ajudar: o próprio site onde aconteceu o assédio, delegacia de polícia e ONGs.

E nos nossos próximos posts da série sobre bullying na internet, vamos contar tudo que você precisa saber sobre como identificar o assédio virtual e como denunciar essa prática.

Ah, e aproveite para conferir o projeto Internet Sem Bullying, da Copel Telecom com o Instituto Abrace Programas Preventivos.