Internet das Coisas: 6 fatos que vão fazer você repensar essa tendência

Sabia que a Internet das Coisas já é realidade em 48% das empresas do mundo? É o que mostra uma pesquisa divulgada pela consultoria de risco Marsh, no primeiro semestre deste ano. O levantamento foi feito com 700 executivos de 60 países, incluindo o Brasil, e mostra a tendência atrás apenas da Telemática.

E a relevância da também chamada Internet of Things (IoT) não para por aí! Durante o Futurecom 2017, o maior evento de tecnologia da informação e comunicação da América Latina, a IoT foi destaque em grande parte das palestras, painéis e estandes.

Are you ready para essa transformação digital que acompanha a conexão da internet com os objetos à nossa volta? Fique por dentro de alguns fatos, entre curiosidades e aplicações da IoT, que trouxemos do evento.

#1 A Internet das Coisas deve movimentar US$ 132 bilhões no Brasil até o ano de 2025.

A previsão foi divulgada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTIC) em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) durante a apresentação do estudo Internet das Coisas: um Plano de Ação para o Brasil, no último dia 3 de outubro.

As áreas prioritárias do plano? Saúde, cidades inteligentes, indústria e agronegócio. Esse mesmo levantamento servirá como base para a formulação de políticas públicas e ações de 2018 a 2022.

#2 A fabricação de produtos personalizados pode se tornar mais prática e barata com a Internet das Coisas.

Parece utopia, mas não é. O consultor de negócios do Centro de Referência de Tecnologias Inovadores (CERTI), Claudio Bressan Vieira, mostrou no evento um case de aplicação da IoT à manufatura.

A CERTI vem criando tecnologias chamadas de mecanismos de customização em massa para que as máquinas das indústrias possam ser ajustadas pela internet sem a necessidade de parar a produção.

Principais vantagens: obtenção de dados em tempo real, flexibilidade e criação de novos modelos de negócios. “As soluções já estão sendo replicadas em outros setores de consumo”, afirma Vieira.

#3 Já ouviu falar em Hospital 4.0? Com ele, as filas devem ser reduzidas e a qualidade do atendimento melhorada.

Outra iniciativa apresentada durante o Futurecom e que também mostra um exemplo de aplicação de IoT é o Hospital 4.0. Através dele é reduzir filas de atendimento, custos envolvidos na operação, entre outros.

A partir dessa versão 4.0 a comunicação entre equipamentos hospitalares e equipes, conectadas à internet, podem melhorar o diagnóstico, atendimento e até salvar vidas. “Vamos promover a automação na saúde, saindo da Indústria 4.0 para o Hospital 4.0”, explica Elcio Brito, pesquisador da Universidade de São Paulo (USP).

#4 Com a Internet das Coisas todo o ecossistema de parceiros ganha.

Para José Gontijo, diretor do Departamento de Ciência, Tecnologia e Inovação Digital da MCTIC “a IoT é um modelo de negócio onde todo mundo ganha”.

Segundo o Eduardo Parajo, presidente da Associação Brasileira de Internet (Abranet), a indústria deve se unir para buscar uma solução que entregue tudo. “A oportunidade da Internet das Coisas vai mostrar que essa complementaridade é importante entre pequenos, médios e grandes players”, pontuou no evento.

#5 Procurando capacitação em Internet das Coisas? Agora é a hora!

De acordo com muitos dos palestrantes do Futurecom, ainda é preciso investir na capacitação do mercado brasileiro para lidar com o potencial da Internet das Coisas.

O estudo Internet das Coisas: um Plano de Ação para o Brasil também defende a ampliação da força de trabalho qualificada. Além disso, também pretende fortalecer as áreas de pesquisa e desenvolvimento, e despertar o interesse dos jovens para o tema.

#6 Inovação simétrica no Brasil? Uma reflexão sobre a Internet das Coisas.

“No Brasil consumimos muita tecnologia. Somos o terceiro maior mercado de tecnologia do mundo, mas fabricamos poucas coisas. A inovação do país é simétrica, acontece em alguns lugares e em outros não. Será que isso vai acontecer também com a IoT?”, questiona Marcelo Zuffo, professor da USP e presidente do Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSI-TEC).

E você, leitor do Blog Conecta, qual é a sua opinião sobre a evolução da Internet das Coisas no Brasil? Veja aqui como se preparar para o futuro com a IoT.