Internet Sem Bullying

Responsabilidade social é mais que um compromisso ao oferecer a melhor internet do Paraná. É retribuir para os moradores do estado a confiança que depositam em nossos serviços. É também por esse motivo que lançamos o projeto Internet Sem Bullying, uma parceria da Abrace Programas Preventivos com a Copel Telecom que leva para as escolas da rede pública estadual palestras sobre cyberbullying.

Quer conhecer mais sobre o projeto? Então, confira uma entrevista com a diretora de operações da Abrace Programas Preventivos, Karine V. Horta e fique por dentro!

Blog Conecta – Considerando o cenário do bullying no Brasil, como nasceu a ideia de criar o projeto Internet Sem Bullying, uma parceria da Abrace Programas Preventivos com a Copel Telecom?

Karine V. Horta – O projeto Internet Sem Bullying nasceu da nossa preocupação com o aumento considerável do cyberbullying entre adolescentes. Nas pesquisas que realizamos em escolas atendidas pela Abrace Programas Preventivos, notamos que nos últimos três anos as agressões virtuais entre alunos têm sido mencionadas com frequência por familiares e estudantes e escolas, e gerado graves consequências para todas as partes. Por isso, a Abrace Programas Preventivos e a Copel Telecom se uniram neste projeto. Juntos, nosso intuito é ensinar o que chamamos de ética digital. Além disso, a Copel Telecom possui um compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (ODS), que mencionam sociedades pacíficas, educação de qualidade e equidade para todas as crianças e promoção de saúde e bem-estar.

Blog Conecta – Quais são as ações que fomentam o projeto, dentro e fora das escolas?

Karine V. Horta – O projeto é composto por ações voltadas para pais, estudantes e educadores. Inicialmente, são realizadas palestras para alunos do Ensino Fundamental II, juntamente com o fornecimento de cartilhas e brindes. As palestras sensibilizam e conscientizam alunos sobre a seriedade da prática do cyberbullying. Também reforça valores como empatia, igualdade e respeito. Em seguida são fixados cartazes no pátio e corredores das escolas com frases que relembrem o conteúdo abordado nas palestras. Para os pais são fornecidas cartilhas com orientações importantes para prevenção e, se necessário, intervenção de modo adequado. Fornecemos também planos de aula com sugestões de atividades para que os professores deem continuidade ao tema.

Blog Conecta – Como vem sendo a receptividade dos alunos em relação às palestras? E dos professores e educadores?

Karine V. Horta – É surpreendente a forma como os alunos reagem e participam durante as palestras, compreendendo a seriedade do cyberbullying e se comprometendo a respeitar os colegas na internet. Todos participam, tiram dúvidas, contam suas experiências, é incrível, um aprendizado para nós e para eles. Da mesma forma, professores participam e citam exemplos do cotidiano da escola, ilustrando o que está sendo dito. Todos têm demonstrado gratidão ao verem nosso empenho em combater o bullying e cyberbullying, o que é muito gratificante.

Blog Conecta – Existe uma estimativa sobre o número de alunos e escolas paranaenses impactados pela iniciativa?

Karine V. Horta – Ainda não temos números precisos, mas acredito já termos alcançado mais de 900 alunos até agora, distribuídos em diferentes escolas e municípios. Nosso objetivo é alcançarmos 11 municípios até março de 2018 e ampliarmos para outros municípios no segundo semestre.

Blog Conecta – Considerando a sua visão como diretora de operações da Abrace Programas Preventivos, jornalista e estudante de Gestão Pedagógica, qual é a importância de desenvolver um projeto de responsabilidade social como este, que trata de uma alarmante realidade dentro das escolas?

Karine V. Horta – Todo trabalho feito com o objetivo de ajudar na melhoria e transformação de uma realidade que não é benéfica para a sociedade, é fundamental para o auxílio no desenvolvimento da formação de cidadãos conscientes, responsáveis e que tenham respeito pelos outros. Isto traz muitos benefícios e gera uma rede de solidariedade em que indivíduos começam a ter consciência da consequência de suas condutas. Também compreendem que atitudes positivas podem gerar mudanças significativas e importantes para a qualidade de vida de todos.

Blog Conecta – Como o leitor do Blog Conecta pode fazer sua parte, ajudando a reduzir e a prevenir a prática do bullying dentro e fora da internet?

Karine V. Horta – O filósofo Edmund Burke disse que a única coisa necessária para que o mal triunfe sobre o bem é que as pessoas de bem não façam nada. Por isso, para reduzir esta forma de violência que aflige diariamente milhares de estudantes, é fundamental uma cultura de paz. Isto pode ser feito com ações simples, como procurar a escola em que seu filho estuda e se informar sobre o que vem sendo feito de forma preventiva; não estimular comentários ou “brincadeiras desagradáveis” na internet ou em qualquer outro ambiente; ao ver conteúdos que prejudiquem outros na internet, utilizar as ferramentas de denúncia das redes sociais; caso saiba de algum caso de bullying, dar apoio à vítima, manifestando cuidado e compreensão; e, acima de tudo, procurando ser um exemplo de empatia, igualdade e respeito.

Quer fazer parte dessa rede de solidariedade em prol do respeito na internet? Então compartilhe esse conteúdo com seus amigos e use a hashtag #InternetSemBullying nas redes sociais.

Continue acompanhando os conteúdos da série especial sobre o projeto, que segue nas escolas públicas do Paraná até março de 2018.