Vira e mexe, um vírus de computador se torna celebridade no mundo das infecções virtuais. Alguns vêm só para incomodar, como o Anna Kournikova. Outros praticamente inutilizam a sua máquina e ainda pedem resgates caros para a recuperação de dados, como o NotPetya.

Por isso, a gente preparou uma lista com alguns dos vírus mais famosos da história para você relembrar e entender do que um bichinho desses é capaz.

E como a gente quer que você aproveite as ultravelocidades da Copel Telecom numa boa, também temos dicas de segurança para você não cair em cilada.

Vamos lá!

Calçada da (má) fama: 6 vírus icônicos na história da internet

• Chernobyl (1998): afetando mais de 60 milhões de computadores, o vírus entrava na BIOS do sistema e apagava todas as informações. Ou seja: não dava nem para ligar o pc. Tenso, não? A maioria das máquinas infectadas precisou ter a placa mãe trocada para voltar a funcionar.

• I Love You (2000): disfarçado de um e-mail de amor, o vírus atingiu mais de 50 milhões de computadores em apenas dez dias. Ao ser aberto, era automaticamente enviado para todos os contatos do Outlook, além de mandar os dados do usuário para o criador da praga.

• Anna Kournikova (2001): com a promessa de uma foto da tenista russa, o vírus era uma pegadinha bastante chata que se instalava na máquina e automaticamente disparava a mesma mensagem para todos os contatos.

• Sasser (2004): esse foi um dos primeiros vírus que não chegou por e-mail, mas por vulnerabilidades de sistemas. E o maior estrago foi no mundo físico: companhias aéreas tiveram que cancelar viagens e trens chegaram a falhar por causa do problema virtual.

• WannaCry (2017): entrando por brechas, principalmente de sistemas pouco atualizados, o vírus bloqueava o acesso a arquivos importantes – como prontuários de hospital, por exemplo. Como um sequestro, a praga capturava o documento e, para que o usuário o tivesse de volta, era preciso pagar.

• NotPetya (2017): parecido com o WannaCry, o NotPetya também pedia resgate. Só que ao invés de atacar alguns arquivos como o coleguinha, este aqui bloqueava o sistema inteiro, impedindo que o usuário tivesse acesso ao Windows. O preço do resgate era alto – US$ 300.

Como se proteger?

Algumas atitudes simples e certeiras te ajudam a ficar livre dos vírus. Olha só:

  • Mantenha seu antivírus sempre atualizado.
  • Faça a verificação do antivírus no seu computador com frequência.
  • Não abra links estranhos – mesmo que sejam enviados por conhecidos.
  • Evite entrar em sites que não têm o protocolo de segurança HTTPS.
  • Atualize os programas do computador para evitar brechas.
  • Baixe arquivos somente em sites que têm credibilidade.

Curtiu as dicas? Fique por dentro de tudo que rola na internet aqui no Blog Conecta, da Copel Telecom.

Leia também: Google Chrome lento? Veja 5 dicas para solucionar esse problema!