A transformação digital (TD) se faz cada dia mais necessária na realidade das empresas de todos os segmentos. No entanto, ainda há muitas dúvidas na mente do empreendedor quanto a reestruturações e atualizações ao modelo atual de negócios. Um movimento mal executado nesse meio pode gerar sérios prejuízos.

Prova disso é que, segundo a gigante de consultoria empresarial McKinsey, 70% das transformações organizacionais falham de maneira recorrente.   Por isso, ter uma noção básica da aplicação da transformação digital em seu negócio é fundamental. Hoje, iremos explicar como aplicar esse conceito em 3 segmentos.

O que é a transformação digital?

Antes de partirmos para os pontos propriamente ditos, é importante ter claro o que é a transformação digital em um negócio: um processo de reorganização de métodos e estratégias com base em uma transição ao digital.

A importância da TD é tanta que, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts, o MIT, empresas que investem firmemente em transformação digital são 26% mais lucrativas em suas atividades em relação às concorrentes que não seguem esse caminho.

Essa reestruturação consiste em mirar em, basicamente, três pontos: automação de processos, melhora da comunicação e redução de custos. Trata-se, portanto, de um complexo processo que consiste em muito mais que a presença digital, conceito que muitas vezes se confunde com a TD.

1 – A transformação, mais que digital, é de pessoas

Imagine que você comanda uma padaria. Em determinado momento, você utiliza parte do investimento do pequeno negócio para comprar uma assadeira mais moderna, que agora irá preparar mais pães em menos tempo substituindo a antiga, já conhecida por todos da padaria, sem avisar ninguém.

No entanto, como você não comunica nem prepara seus funcionários, eles terão que aprender “na marra” a utilizá-la. Isso lhe custará tempo, já que a inexperiência dos colaboradores irá ocupar um período em que você poderia estar produzindo.

Por outro lado, seu concorrente compra a mesma assadeira, com uma diferença: antes de substituir a antiga, já conhecida por seus colaboradores, ele usa um tempo de adaptação e preparo dos funcionários em paralelo. Durante esse período, ele consegue treinar o time sem cair a produtividade.

Com a transformação digital é bem parecido. Você não pode radicalizar na ruptura. É preciso um tempo de preparo e transição, além de fomentar uma cultura organizacional baseada nesse sistema digital.

Afinal, de nada adianta uma série de investimentos em tecnologia sem um pessoal preparado para recebê-la. Esse é o primeiro e mais importante passo para a transformação digital: a cultura organizacional.

2 – Ferramentas digitais

Com uma equipe devidamente preparada para recepcionar essas evoluções tecnológicas, é hora de partir para a ação. Deve haver uma implantação de mecanismos digitais nos processos operacionais da empresa, buscando aqueles tópicos que citamos no início da matéria: automação de processos, melhora da comunicação e redução de custos.

Podemos dizer que o primeiro passo já engloba um dos pontos, o da melhora da comunicação. Um time bem informado e atualizado entre si pode ser vital na hora de pôr para funcionar a transformação digital na sua empresa. Vamos agora ao segundo pilar: a automação de processos.

A adesão a sistemas de automatização de processos antes manuais pode parecer complexa à primeira vista. Porém, quando entendemos seu conceito, fica fácil compreender que não é tão difícil assim. Tarefas simples, como a coleta e armazenamento de dados, antes restritas ao manuseio humano, podem ser incorporadas nessa etapa.

Um bom exemplo disso são os softwares de planejamento de gestão, como o Runrunt.it e o Asana. São mecanismos de distribuição e gerência de tarefas que, com a ajuda do digital, controlam as responsabilidades e metas individuais, poupando tempo para outras tarefas.

3 – Foco no cliente

Outro grande diferencial da Transformação Digital é que o foco passa a ser no cliente. É claro, muitas empresas já aderem a esse critério em seu funcionamento. Entretanto, no conceito de TD esse princípio deve ser unânime.

Isso significa que todos os esforços desenvolvidos devem ser voltados à experiência do cliente. E, para nossa sorte, há um nome e conceito bem estabelecidos para essa abordagem: O CRM.

Neste link, você pode conferir nossa matéria completa sobre o CRM, mas vamos apresentar um panorama sobre o assunto. CRM é a Sigla para Costumer Relationship Management, que na tradução literal significa Gerenciamento de Relacionamento com o Cliente e, como dissemos, consiste em uma estratégia com foco total no cliente.

Tal processo se cruza com o que citamos anteriormente: a coleta de dados. No entanto, ele age já transformando essas informações em ações úteis. Ou seja, o CRM, além de colher informações, as categoriza de maneira a transformar números em leads.

Para aplicar um CRM é fundamental ter claramente estabelecida a situação atual da empresa, possuir metas definidas e uma noção clara do mercado. Existem diversos softwares de CRM disponíveis. Indicamos o Pipedrive, o Hubspot e o Zoho.

A melhor internet para acompanhar sua transformação digital

Aplicar a transformação digital em seu negócio consiste em um intenso processo de adaptação, que precisa de uma internet à altura. A internet corporativa da Copel Telecom conta com diversos produtos que acompanham essa transição.

Com o IP Direto, por exemplo, sua companhia tem acesso a um canal exclusivo, que dispensa “dividir sua rede”, garantindo velocidade e estabilidade. Clique aqui, conheça nossos planos e comece a sua transformação digital já!

Fontes:

https://josefacchin.com/transformacion-digital/

https://epocanegocios.globo.com/Empresa/noticia/2019/05/transformacao-digital-da-errado-em-70-das-empresas-o-que-fazer-para-evitar-o-fracasso.html

https://computerworld.com.br/2019/05/22/nao-existe-transformacao-digital-sem-a-transformacao-de-pessoas/