Há cerca de dois meses, a Gartner Inc – gigante de consultoria estadunidense – levantou as principais tendências em tecnologia para 2020. O que esperar do primeiro ano da próxima década? Hoje, o Blog Conecta apresentará as estimativas da empresa. Acompanhe.

Em suma: o que temos para 2020?

A ascensão de novas tecnologias e o conceito de transformação digital estão cada vez mais presentes em nosso dia a dia.

Quando falamos em tendências para o futuro, é normal vir à nossa mente uma perspectiva ultrafuturista, robôs com capacidades humanas e etc.

No entanto, as perspectivas da Gartner são mais “pés no chão” e podem ser entendidas mais como um aprimoramento de tecnologias que já estão em prática.

De acordo com o blog administradores.com, a consultora levantou as tendências com base nos seguintes pilares:

  • Potencial de transformação a partir de um estado emergente para um de alto impacto
  • Rápido crescimento com alto grau de instabilidade (previsto para os próximos 5 anos)

1 – Hiperautomação

Uma automação cada vez mais generalizada e interligada. Essa é a proposta da hiperautomação. São conceitos como machine learning (ou aprendizado de máquinas e RPA (Processo de automação robótica).

Essa automação diz respeito a uma maior autonomia de softwares e hardwares.

De acordo com a Gartner, a receita esperada para encerrar o ano de 2019 é de R$ 1,3 bilhão em RPA. A expectativa para 2020 é que esse número aumente ainda mais.

2 – Multiexperiência

Sentidos cada vez mais conectados e uma experiência única. Esses dois elementos determinam o conceito da “multiexperiência”.

Com ela, a ideia clássica de um computador deixa de ser um ponto exclusivo de interação para novas interfaces multissensoriais e de multitoque.

Um exemplo disso é o Teslasuit, dispositivo apresentado na última edição da CSE (Consumer Eletronic Show), que consiste em um traje sensitivo para jogos.

Desse jeito, é possível sentir gotas de chuva, sopro do vento e outras sensações táteis dos cenários dos jogos.

3 – Edge computing mais empoderada

Dispositivos que contam com edge computing descartam a necessidade de armazenar dados em uma nuvem.

Com essa tecnologia, eles passam a ser guardados no próprio hardware, ou seja, mais próximos da borda.

De acordo com a Gartner, a computação de borda passará a ser um fator dominante em quase todos os setores e casos de uso. Por que isso? Bom, é que a borda é capacitada com recursos cada vez mais sofisticados e especializados em armazenamento de dados.

4 – Coisas autônomas

Há tempos a IoT (Internet das coisas) figura nas listas de tendências quentes para as gerações futuras.

A Gartner prevê para o próximo ano um maior uso e desenvolvimento de tecnologias como drones, robôs e veículos autônomos fazendo parte do processo produtivo e recreativo das pessoas.

5 – Inteligência artificial e segurança

À medida que a hiperconectividade ganha seu espaço na sociedade, uma maior integração de dados também passa a ser presente.

Os usuários, então, ficam mais e mais expostos à possíveis problemas relacionados a seus dados.

Por isso, é de se esperar que haja um maior investimento em segurança aliada à Inteligência artificial.

Segundo a consultora, deve haver uma atenção por parte dos líderes de segurança em três principais áreas:

  • Proteção de sistemas de inteligência artificial
  • Antecipação do uso de inteligência artificial pelos invasores
  • Alavancar a inteligência artificial para aprimorar a defesa da segurança

6 – Aprimoramento humano

Por mais que a ideia de “aprimoramento humano” pareça ir contra o conceito de tecnologia, esse é um dos pontos levantados pela Gartner.

Segundo a empresa, uma melhora física e cognitiva humana pode se refletir no desenvolvimento de novas tecnologias.

Em 2020, a projeção da consultora é de que haja uma maior atenção a esse fator.

Melhorando aspectos físicos, as pessoas estarão mais preparadas para melhorar aspectos do digital.

7 – Democratização da expertise

A proposta de democratizar a expertise traz a possibilidade do acesso a conhecimentos técnicos e/ou do domínio de negócios para setores mais “populares”.

O desenvolvimento de aplicativos, por exemplo, é um desses tipos de conhecimento.

Isso, em teoria, seria acessado sem a necessidade de treinamento extensivo e grandes gastos.

Tal democratização pode ser resultado de uma maior conectividade digital, atrelada a menos barreiras na internet.

8 – Nuvem distribuída

Com a nuvem distribuída, os serviços passam da nuvem pública para diferentes locais.

Dessa forma, o provedor público passar a ter a responsabilidade por operar, governar e atualizar os serviços.

Enquanto isso, a nuvem distribuída permite seu acesso em diferentes localidades com servidores conectados a uma única rede ou hub de serviços.

9 – Maior transparência

Os escândalos envolvendo o Facebook em 2018, em conjunto com um maior debate sobre proteção de dados acendeu uma luz sobre o tema.

Esse pode ter sido um dos motivos que levaram a Gartner a pontuar essa como uma tendência para 2020.

As pessoas estão ficando mais atentas ao uso de suas informações na internet. Prova disso é o posicionamento que lideranças de Estado têm tomado quanto ao tema.

A LGPD, por exemplo, é a legislação brasileira que regulariza o uso de dados por empresas, e deverá entrar em vigor no ano que vem.

Com tudo isso, é de se esperar que as empresas estejam cada vez mais claras com os clientes quanto ao uso de suas informações pessoais.

Essa tendência pode, inclusive, inspirar países que ainda não possuam uma legislação.

10 – Um blockchain mais prático

Apesar de ainda imaturo em implantações corporativas, o blockchain possui um grande potencial de geração de receita às organizações que o utilize.

A Gartner afirma que seu potencial de mudar a cara de setores enquanto transparece confiança é altíssimo.

Com ele, elementos como o fluxo de caixa, redução do tempo de liquidação e a troca de valor entre ecossistemas de negócios são otimizados.

As perspectivas para 2020, segundo a empresa, é de que esse meio seja cada vez mais otimizado.

Comece a década com uma internet do futuro

A melhor maneira de imergir às tecnologias do futuro é com uma internet à altura.

A Copel Telecom possui planos empresariais que conectam seu negócio com agilidade, estabilidade e segurança.

Clique aqui, encontre o modelo ideal para sua empresa e comece a navegar.

 

Fontes:

https://www.gartner.com/pt-br/conferences/la/symposium-brazil

https://administradores.com.br/noticias/as-10-principais-tend%C3%AAncias-em-tecnologia-para-2020-segundo-o-gartner

https://blog.sonda.com/tipos-de-nuvem/

https://foxbit.com.br/o-que-e-blockchain/