Erre, corrija e acerte em movimento acelerado. Quando atingir o resultado esperado, repita o ciclo. Basicamente, é assim que funciona o mundo das startups, as jovens empresas que apresentam crescimento rápido.

As startups nacionais estão cumprindo bem esse ciclo e estão reunindo grandes investimentos – e aumentando o número de unicórnios brasileiros. O termo é usado para indicar as startups que atingiram valor de mercado maior que US$1 bilhão.

Hoje, o Brasil conta com 12 unicórnios, empresas que se tornaram referência no seu setor e receberam grandes aportes. O valor dos investimentos em startups brasileiras no último ano chega a somar mais de R$9 bilhões, sendo grande parte vinda do exterior.

Com o setor ganhando cada vez mais espaço no território nacional e com empreendedores cada vez mais maduros, as startups passaram a ser uma solução interessante. Atualmente, existem cerca de 13 mil startups ativas no país, mas são poucas as que conseguem atingir o patamar de unicórnio. A maioria delas são B2C, ou seja, tem foco no consumidor e causam disruptura na forma como adquirimos algum produto ou serviço

Os 12 unicórnios brasileiros

A primeira startup brasileira a se tornar unicórnio foi a 99, que atingiu a marca de US$1 bilhão em janeiro de 2018. Por meio de uma aplicativo, a marca conseguiu unir motoristas e taxistas.

Em seguida, o Nubank se tornou um unicórnio em março do mesmo ano. Criado por um colombiano, o sistema bancário revolucionou o setor que era considerado muito frustrante e tradicional.

Em setembro de 2018, a Arco Educação se tornou um unicórnio. Mesmo com um modelo de negócio que não era considerado exatamente um startup, a empresa usou a tecnologia para crescer rapidamente.

Os últimos dois meses de 2018 trouxeram dois novos unicornios para o Brasil. Em novembro, a Movile, dona do Ifood, conseguiu o título. A empresa mudou o comportamento do consumidor e foi a primeira que realmente popularizou o delivery. Já no último mês do ano, a Stone, empresa de maquininhas de cartão, integrou a lista. 

2019 começou com mais um unicórnio brasileiro: Gympass. A empresa consegue migrar bem seu modelo B2B e B2C, integrando negócios e consumidores. O sucesso foi tanto que expandiu rapidamente para o exterior.

Em junho, a Loggi atingiu o valor de US$1 bilhão. A empresa de motofrete é um grande case pelo sucesso na atuação em um mercado bastante pulverizado.

O QuintoAndar conseguiu entrar na lista em setembro e foi um grande disruptor do mercado imobiliário. Os processos tecnológicos e ágeis fizeram sucesso no setor.

A última empresa a se tornar unicórnio em 2019 foi a Ebanx. A plataforma processa o pagamento de grandes plataformas, como Spotify e Netflix e conta com um grande número de usuários indiretos.

Em 2020, o Brasil ganhou três novos unicórnios. A primeira foi o Loft, um marketplace que simplifica a compra e venda de imóveis. A Vtex, plataforma de e-commerce que cuida da estrutura para que lojistas cadastrem seus produtos, também atingiu o alto valor de mercado. Quem também integrou a lista foi o estúdio de games Wildlife

A tecnologia impulsionou o crescimento destas startups. Para se manter sempre conectado a elas, garanta a melhor Internet disponível. Contrate agora a banda larga da Copel Telecom.